Inspirações : vinhos selecionados para as festas de fim de ano

vinhos-espumantes-reveillon-2016

Inspirações : vinhos selecionados para brindar ou presentear no fim de ano

Estamos chegando ao fim de mais um ano, com temperaturas cada vez mais elevadas que colaboram para a degustação de espumantes, vinhos brancos e rosés. Mas sabemos que muitos consumidores não abrem mão do vinho tinto e, para estes, também temos opções deliciosas. Como os cardápios dessa época são fartos e diversificados, escolhemos vinhos versáteis, que podem acompanhar bem uma grande gama de pratos. Vale lembrar que a maioria dos tintos deve ser degustada entre 16 e 18ºC para uma experiência plena, então você pode deixá-los uns 30 minutos de geladeira antes de consumir. Já espumante e brancos devem estar mais geladinhos, entre 8 e 12ºC. Confira nossas dicas, boas festas e bom apetite!

Espumante, Natal ou Réveillon são inseparáveis, não há como brindar o 25 de dezembro ou celebrar a virada do ano sem uma taça borbulhante em mãos. Para estas ocasiões, nossas duas dicas vêm de Portugal. O primeiro é o 3B Rosé, assinado pela enóloga Filipa Pato e elaborado com as uvas Baga e Bical na região da Bairrada, um dos melhores terroirs para espumante no país. Elegante e delica do, em boca é seco, frutado e possui ótima acidez. Um vinho perfeito para acompanhar queijos de pasta dura, salmão ou frutos do mar. Também da Bairrada, indicamos o Bairrada Brut da Cave Messias, um espumante branco elaborado com a uva Maria Gomes, uma das inúmeras variedades nativas do país europeu. Produzido pelo método tradicional (segunda fermentação na garrafa), é seco, equilibrado e com boa acidez, excelente como aperitivo ou ainda para acompanhar peixes e saladas.

Em relação aos brancos, uma excelente escolha é o Château Reynon Sauvignon Blanc, assinado pelo enólogo Denis Dubourdieu, eleito Homem do Ano 2016 pela revista inglesa Decanter, que infelizmente faleceu esse ano. Elaborado em Bordeaux, a região mais célebre da França, esse vinho estagia sobre as borras, o que confere maior complexidade e potencial de amadurecimento. Excelente sozinho, para acompanhar frutos do mar ou culinária japonesa. A segunda sugestão de branco vem da Itália. O Velante Pinot Grigio Venezia Giulia IGT é elaborado no Vêneto, pela Cantina Bertani. Trata-se de um vinho intenso, porém fresco, que reflete a verdadeira essência dessa variedade de uva. Companheiro ideal para risotos de cogumelos ou de frutos do mar.

Vamos aos tintos. Começamos com o Cefiro Reserva Pinot Noir, um chileno elaborado no excepcional terroir do Vale de Casablanca. Apresenta aromas de cerejas, é seco e tem excelente frescor – apenas 30% do vinho estagia em carvalho francês durante 6 meses. Pratos leves à base de cogumelos são ótimas combinações. Outro tinto do Novo Mundo interessante é o Nieto Senetiner Malbec DOC, elaborado em Mendoza, na Argentina. É um vinho de muita personalidade, encorpado, com final longo e elegante, que amadureceu em barricas de carvalho francês por 12 meses e estagiou 6 meses em adega antes de ser comercializado. Para massas com molhos mais encorpados ou ainda um clássico churrasco.

O Marquês de Borba tinto ostenta o nome da marca mais conhecida do produtor João Portugal Ramos em seu país de origem. A excelente concentração aromática e o bom equilíbrio entre fruta, acidez e tanino são marcantes. Carnes grelhadas e queijos como gruyére, emmental, edam e gouda são ótimas harmonizações, além do clássico lombo de bacalhau. Da Espanha, o MT Selección de Familia é elaborado na região de Ribera del Duero, com 90% Tempranillo e 10% de Cabernet Sauvignon, pelo tradicional produtor Marqués de Tomares. Os 14 meses de estágio em barrica francesa dão a este vinho excelente estrutura e taninos macios. Carnes de sabores mais marcantes, como cordeiro, são ideais para a harmonização.

Outra sugestão de Portugal é o tinto Garrafeira dos Sócios DOC, elaborado no Alentejo, pelo produtor Carmim, com as uvas Trincadeira, Castelão e Aragonês. Estagia 24 meses em barricas e descansa mais 12 meses em adega antes da comercialização. Vinho de estrutura robusta, excelente corpo e taninos finos, porém abundantes. Carne de cordeiro é uma pedida perfeita. Para fechar as sugestões de tintos secos, o lançamento Sidecar 2015, vinho de autor assinado por Filipa Pato, Susana Esteban e William Wouters, com pouquíssimas garrafas disponíveis no Brasil. Trata-se de um exemplar muito especial, que passa por um processo de vinificação e estágio em ânforas, técnica que remete ao surgimento milenar do vinho e que é resgatada pela enóloga portuguesa. O resultado é uma bebida mais macia e extremamente elegante, que combina com carnes vermelhas e queijos cremosos.

Para fechar o deleite enogastronômico, dois fortificados: o Justino’s Madeira 3 anos, elaborado na Ilha da Madeira, macio, agradável e com doçura marcada, interessante para acompanhar chocolate com boa porcentagem de cacau ou ainda com sobremesas à base de café; e o Porto 10 anos da Caves Messias, vinho DOC Douro que estagia, em média, 10 anos antes de ser engarrafado, caracterizado pela ótima acidez, equilíbrio e persistência.